Inicialmente, cabe salientar que ondulações transversais, mais conhecidas como “quebra-molas” ou “redutores de velocidade” ou ainda “lombadas”, foram proibidas pelo atual Código de Trânsito Brasileiro, Lei 9.503-97, em seu artigo 94, que dispõe:

 

.“Art. 94. Qualquer obstáculo à livre circulação e à segurança de veículos e pedestres, tanto na via quanto na calçada, caso não possa ser retirado, deve ser devida e imediatamente sinalizado.

        Parágrafo único. É proibida a utilização das ondulações transversais e de sonorizadores como redutores de velocidade, salvo em casos especiais definidos pelo órgão ou entidade competente, nos padrões e critérios estabelecidos pelo CONTRAN.”

 

                                    Como se vê no artigo legal, os quebra-molas são proibidos havendo exceção à regra “em casos especiais”, a critério do CONTRAN – Conselho Nacional de Trânsito, que estabelece padrões e critérios para essas exceções.

 

Analisando as Resoluções do CONTRAN sobre o assunto, verificamos que TODOS os quebra-molas que estão sendo indiscriminadamente espalhados em Crucilândia são irregulares e desobedecem as normas de trânsito.

 

Ressalta-se, que estariam irregulares mesmo se fossem analisados sob a ótica do Código de Trânsito antigo, que foi revogado, onde ainda era permitida a utilização de quebra-molas, já que não obedecem sequer os padrões definidos naquele ultrapassado Código.

 

Mas a exceção vem virando regra nas atitudes do Poder Executivo, que espalha quebra-molas indiscriminadamente, muitas vezes com fim puramente eleitoreiro.

 

É bom lembrar, que o Código de Trânsito e as Resoluções do CONTRAN foram elaborados com base em estudos técnicos e não é sem razão que se proibiu o uso de quebra-molas como redutores de velocidade.

 

A Resolução nº 39/98 do CONTRAN, que regulamenta as exceções sobre a implantação de quebra-molas, traz regras para sua utilização.

 

De acordo com os artigos dessa Resolução, a implantação de ondulações transversais e sonorizadores em vias públicas depende de “autorização expressa” da autoridade de trânsito e somente podem ser colocadas “após estudo de outras alternativas”, ou seja, são verdadeiramente exceções à regra.

 

Não creio que as autoridades de trânsito de Crucilândia ou até mesmo do Estado tenham autorizado a implantação indiscriminada de quebra-molas, mesmo porque, caso alguém sofra acidente causado pelos quebra-molas, as autoridades que autorizaram sua implantação podem ser processadas criminalmente, até mesmo por homicídio culposo e não creio que os Delegados de Polícia se sujeitariam a este risco.              

Mesmo nas exceções, os quebra-molas têm que obedecer aos padrões e critérios, que estão definidos na Resolução do CONTRAN citada acima para quebra-molas do “Tipo I” (nas cidades) e “Tipo II” (nas rodovias).

 

Nas cidades (Tipo I), devem ter comprimento mínimo de 1,50 m (um metro e meio) e altura máxima de 0,08 m (oito centímetros). Nas rodovias (Tipo II), devem ter comprimento mínimo de 3,70 m (três metros e setenta centímetros) e altura máxima de 0,10 m (dez centímetros). Não há dúvidas de que a maioria dos quebra-molas de Crucilândia têm mais de oito centímetros de altura e menos de um metro e meio de comprimento.

Estas medidas, exigidas em face de estudos técnicos, asseguram que os veículos que estiverem dentro de sua altura normal, que é a altura de sua fabricação, não se esfregarão no quebra-molas. O quebra-molas, pegando os veículos por baixo, pode causar danos e até mesmo lesões físicas a seus condutores, como nos casos de motociclistas, já que podem levá-los a quedas.

 

Outra regra para os quebra-molas do Tipo I, é que somente podem ser instalados em vias cuja velocidade máxima do local seja de 20 km/h e “onde não circulem linhas regulares de transporte coletivo”, ou seja, vários quebra-molas de Crucilândia são irregulares.

 

O artigo 7º da Resolução, demonstrando que os quebra-molas são realmente exceções à regra, ainda recomenda:

 

“Art. 7º Recomenda-se que após a implantação das ondulações transversais a autoridade com circunscrição sobre a rodovia monitore o seu desempenho por um período mínimo de 1 (um) ano, devendo estudar outra solução de engenharia de tráfego, quando não for verificada expressiva redução do índice de acidentes no local.”

 

 

Este estudo tem que ser feito com base em índices estatísticos e critérios técnicos e deve, obrigatoriamente, ficar arquivado à disposição de qualquer interessado.

 

Constatando-se através de estudos feitos por engenheiros de trânsito, que é inevitável a instalação de quebra-molas, para ser implantados eles devem obedecer ao artigo 9º da Resolução, que dispõe:

 

 

Art. 9º A colocação de ondulações transversais na via, só será admitida, se acompanhada a devida sinalização, constando, no mínimo, de:

I – placa de Regulamentação “Velocidade Máxima Permitida”, R-19, limitando a velocidade até um máximo de 20 km/h, quando se utilizar a ondulação TIPO I  e até um máximo de 30 km/h, quando se utilizar a ondulação TIPO II, sempre antecedendo o obstáculo, devendo a redução de velocidade da via ser gradativa, seguindo os critérios estabelecidos pelo CONTRAN e restabelecendo a velocidade da via após a transposição do dispositivo;

II – placas de Advertência “Saliência ou Lombada”, A-18, instaladas, seguindo os critérios estabelecidos pelo CONTRAN, antes e junto ao dispositivo, devendo esta última ser complementada com seta de posição, conforme desenho constante do Anexo III, da presente Resolução;

III – no caso de ondulações transversais do TIPO II, implantadas em série, em rodovias, deverão ser instaladas placas de advertência com informação complementar, indicando início e término do segmento tratado com estes dispositivos, conforme exemplo de aplicação  constante do anexo IV, da presente Resolução;

IV – marcas oblíquas com largura mínima de 0,25 m pintadas na cor amarela, espaçadas de no máximo de 0,50 m, alternadamente, sobre o obstáculo admitindo-se, também, a pintura de toda a ondulação transversal na cor amarela, assim como a intercalada nas cores preta e amarela, principalmente no caso de pavimentos que necessitem de contraste mais definido, conforme desenho constante do Anexo III, da presente Resolução.

 

Outra desobediência às normas de trânsito que podemos verificar em Crucilândia são os quebra-molas próximo à Praça da Matriz. O artigo 12 da Resolução do CONTRAN determina que qualquer ondulação transversal que seja colocada próxima a alguma esquina obedeça a uma distância mínima de 15 m (quinze metros) da esquina, isto para que os condutores de veículos possam visualizar com boa antecedência a ondulação.

 

Não é preciso dizer, que as normas de trânsito não são feitas somente para quem reside em determinada cidade, mas, por óbvio, também para quem nela está de passagem. Assim, não se pode cobrar de alguém que nunca veio a Crucilândia, que adivinhe que existe vários quebra-molas posterior aos cruzamentos e que, onde se detém o uso da placa pare, normalmente a sua esquerda se encontra um quebra-molas.

 

Já os artigos 14 e 15 da citada Resolução prevêem as obrigações e punições impostas às autoridades de trânsito que são responsáveis pelo trânsito no local onde haja instalação de ondulações transversais:

Art. 14 No caso do não cumprimento do exposto anteriormente a autoridade de trânsito com circunscrição sobre a via deverá adotar as providências necessárias para sua imediata remoção.

 

 

Interpretação da norma é clara no sentido de que o Delegado de Polícia responsável pelo trânsito deve mandar remover imediatamente todas as ondulações transversais que não obedeçam às regras estabelecidas pelo CONTRAN.

 

E ainda:

 

Art. 15 A colocação de ondulação transversal sem permissão prévia da autoridade de trânsito com circunscrição sobre a via sujeitará o infrator às penalidades previstas no § 3º do art. 95 do Código de Trânsito Brasileiro.

 

 

Fica claro que o prefeito ou qualquer outro cidadão que colocar ou mandar colocar qualquer ondulação transversal em via pública, deve ser punido com as penalidades previstas no artigo 95 do CTB, que prevê pena de multa que varia entre cinquenta e trezentas UFIR ou índice que a substitua, independentemente das cominações cíveis e penais cabíveis.

 

Significa dizer, que se causarem danos materiais a alguém, devem pagar por eles e se lesionarem ou causarem a morte de alguém, deverão ser punidos criminalmente, ressaltando-se que se trata de ação penal incondicionada, que deve ser ajuizada, obrigatoriamente, pelo Ministério Público, após apurações que devem ser feitas pela Polícia Civil.

 

Cabe, ainda, aos prefeitos e autoridades públicas que determinarem a implantação de ondulações transversais sem autorização das autoridades de trânsito e sem obedecer às regras do CONTRAN, ser punidos por improbidade administrativa, já que estarão gastando dinheiro público com algo que é proibido por Lei.

 

Por fim, cabe também frisar, que o tipo de quebra-molas que foi colocado em vários lugares de Crucilândia, mesmo depois de meus requerimentos de adequação, são expressamente proibidos pelo CONTRAN, através de sua Resolução nº 336, de novembro de 2009, que dispõe:

 

O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO – CONTRAN, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 12, da Lei nº. 9.503, de 23 de setembro de 1997, que instituiu o Código de Trânsito Brasileiro – CTB, e conforme o disposto no Decreto nº. 4.711, de 29 de maio de 2003, que trata da coordenação do Sistema Nacional de Trânsito – SNT, Considerando o que consta no Processo Administrativo nº. 80001.019601/2008-81;

Considerando que a aplicação de tachas e tachões transversalmente à via como dispositivos redutores de velocidade, ondulações transversais ou sonorizadores causa defeitos no pavimento e danos aos veículos;

RESOLVE:

Art. 1º Os arts. 2º e 6º da Resolução nº. 39, de 21 de maio de 1998, do Conselho Nacional de Trânsito – CONTRAN passam a vigorar com as seguintes redações:

“Art. 2º…………………………………………………………………………..

Parágrafo único. É proibida a utilização de tachas e tachões, aplicados transversalmente à via pública, como redutor de velocidade ou ondulação transversal.”

“Art.6º………………………………………………………………………………

Parágrafo único. É proibida a utilização de tachas e tachões, aplicados transversalmente à via pública, como sonorizadores.” Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

 

 

Vê-se, novamente, além dos riscos de danos físicos e materiais, o gasto de dinheiro público com algo que é proibido por Lei, ou seja, pelo Código de Trânsito Brasileiro. Como dito, cabe ao Ministério Público e ao Delegado de Polícia de Trânsito inibir a instalação e mandar retirar as ondulações transversais onde foram instaladas sem sua autorização e fora dos critérios e padrões impostos pelo CONTRAN, ordenando, quando for o caso, suas substituições por redutores eletrônicos de velocidade, podendo essas autoridades também ser punidas em caso de omissão.

 

Anúncios

Vamos Analisar Mais?

Publicado: agosto 3, 2016 em Uncategorized

Vereador é pago para legislar, ou seja, fazer e analisar as leis que beneficiam a população e não a eles mesmo.

Vereador é pago para defender a população de possíveis irregularidades feitas pelo poder executivo, ou seja, pelo prefeito.

Vereador é pago para orientar o cidadão quando ele não consegue uma consulta no posto de saúde, quando ele pretende cobrar algo que ele não tem talvez a orientação certa, ou seja, seu vereador tem que ser uma pessoa que realmente que busca uma causa pública justa para todos, não para ele.

Vereador é aquele que, percebendo que não existe o piso salarial pago aos servidores públicos de qualquer setor, vai lá e convoca uma reunião para sanar o problema.

Vereador é isso e muito mais, é aquele que cobra para a cidade e não o seu próprio aumento salarial, também não é aquele que aumenta a taxa de iluminação pública sem consultar a população.

 

Vereador, vereador tem que ser vereador, já pararam para pensar o porque que alguns que são funcionários públicos nunca fazem nada para o povo, a não ser sua obrigação, como os motoristas de ambulâncias, que vão em Belo Horizonte por exemplo e usam de outra profissão para enganar e ganhar voto?

O candidato que é funcionário público, eu estou aqui falando diretamente não só de Crucilândia, pois este problema não é só aqui, mas em várias cidades do Brasil, quando eles ganham eles tendem a atender os pedidos das famílias grandes, que estas por muitas vezes tem até mais recursos que as pequenas, pois na cabeças deles vão render mais votos, assim deixando de lado os mais necessitados, sem contar que de fato, como todos nós já vimos, as famílias pequenas ou pessoas que tem apenas um ou dois votos na família, ficam para trás, mesmo em casos extremos de enfermidade ou tratamento.

Tem também aquele funcionário público que simplesmente se candidata para ficar três meses em casa, atoa, recebendo do nosso dinheiro e que muitas vezes, a pedido do prefeito se retira para entrar outro no lugar e agradar uma segunda família, assim gerando mais gastos.

Infelizmente no Brasil tem muito ainda que se mudar, não podemos concordar com determinadas leis, pois elas são usadas de má fé, como no caso do funcionário que se afasta e ainda continua recebendo. O certo seria que ele fosse afastado e não recebesse durante a campanha, aí sim muitos não cederiam o lugar somente para aumentar os gastos públicos.

E aquele vereador que mesmo ainda recebendo da prefeitura nunca fez nem um projeto, nem mesmo questionou as vezes que passamos por escândalos, como de funcionários que nuca trabalharam na prefeitura e mesmo assim recebem, dentre outras irregularidades, como uso de carros públicos para benefício próprio? Como deveremos reagir a eles?

Temos vereador, que te engana de todas as formas, falam mentiras, ludibria porque sabe que nada está sendo mostrado, fala que foi o prefeito que te deu tal coisa, mas nunca dizem de onde vieram os recursos… Estes não são vereadores, são verdadeiros paspalhões que estão a sugar o dinheiro do seu suor.

Mas na mesma proporção destes candidatos e vereadores canalhas, existem as pessoas que são cumplices, aqueles que falam “EU VOTO SE ME DEREM ALGO, PEGO E VOTO EM OUTRO”, do mesmo modo, estes eleitores estão também cometendo um crime grave, estão usurpando o dinheiro que faltou para todos, estão tentando também serem “espertalhões” mas mal sabem que estão alimentando estes “lobos” que tanto fazem nossas cidades regredirem, provocando o desemprego, aumento no consumo de drogas, falta de investimento real no ensino, cultura, esporte e por ai vai.

Agora, será mesmo que para que aja bons políticos dependem dos candidatos ou dos bons eleitores?

Como disse acima, na mesma proporção que existem os vereadores e candidatos de baixa qualidade é porque existem ainda muitos eleitores que estão escolhendo eles, e vamos ser francos, porque estão ainda votando nestes que estamos vendo se enriquecerem, andando de carros importados, comprando casas, construindo descontroladamente, sendo donos de loteamentos, prédios, viajes caras, ostentando luxo o tempo inteiro e nunca fazem nada? Não é um mistério, eles estão ganhando porque o povo ainda continua a creditar nas mentiras deles e outros se beneficiando também da corrupção quando vendem seus votos.

Não podemos deixar tudo também nas mãos da Justiça, pois a mesma também sofre pela corrupção, pois os investimentos que nela precisam chegar para o bom trabalho preciso, estão ficando na corrupção que construímos com nossos próprios dedos nas urnas.

Que a política seja tratada como solução e não como problema, porque não existe outra saída senão por ela. Que reflitam bem sobre a reeleição de vereadores e prefeitos e não somente isso, mas em quem vão votar.

Que Deus seja luz no coração de todos para que possamos enxergar fora desta escuridão que a corrupção nos colocou.

 

É da nossa conta sim!

Publicado: outubro 19, 2015 em Uncategorized

Como podemos fingir que não entendemos este governo que a mais de 13 anos usurpou nossos direitos de sermos cidadãos?

Existe como em todo governo, um mentor de ideias que pode ser boas ou ruins, no caso de nossa Crucilândia, vivemos um verdadeiro cárcere privado de propagandas mentirosas, de manipulação de opiniões que fazem muitas pessoas acreditarem em mentiras que por serem ditas tantas vezes, se torna uma verdade ilusória.

Segundo o atual governo ele é quem fez tudo aqui, fez a rodoviária que aqui já estava desde o pioneirismo de anteriores, que inauguraram a mesma na década de 80, assim como se falam do Clube Recreativo, que das antigas todos nós lembramos de grandes eventos por lá já feitos e que marcaram época e história.

Falam-se também como se tivessem feito o campo de futebol, o Bezerrão, construído na gestão do então prefeito Bezerro.

E o que dizer do parque de exposição? Nome Antônio Duarte Penido, construído na gestão do ex-prefeito Toinzinho.

Podemos também falar da construção do posto de saúde Frei Pio e sua reforma garantindo outra estrutura enorme no segundo andar, feito na década de 90.

Seria necessário falar no empreendimento do bairro Bela Vista II, onde quem fez toda infraestrutura foi o empresário Zé Romeu, que construiu toda rede de esgoto e asfalto.

Não são poucos os casos de posse de obras que de forma covarde, que tende a levar as pessoas a pensar que tudo só aconteceu agora, quando na verdade, a única obra feita nos últimos 13 anos está em completo abandono, que é o complexo esportivo que foi construído na Vila.

E se começarmos a falar das grandes festas que tínhamos e das várias e várias festas locais que hoje não temos mais, porque, se quisermos fazer algo, é preciso se ajoelhar diante de uma ditadura  velada, mas como nossos comerciantes sempre foram pessoas de índole segura, preferem deixar como está do que sucumbir aos desejos de terceiros que tentam levantar tudo como se fosse obra do mesmo.

Agora ano que vem é ano de manobras que fingem resolver grandes problemas, é hora deles voltarem a prometer mundos e fundos que nunca foram cumpridos, como já disse, até Cristo de 16 metros de altura, com luzes girando em seu braço esquerdo iluminando a cidade já tivemos, Cristo este que, se existe mesmo uma lei universal do bem, estas pessoas irão pagar caro por prosperarem o atraso e o sofrimento, quando na verdade os governos existem para reduzir a distância do povo à felicidade e não estreitar a felicidade e o sofrimento em uma única linha.

Falo isso de consciência limpa, pois, sou um livro aberto pronto para aceitar críticas porque dela entendo que posso ser melhor e não o contrário. A vaidade e o orgulho já deixei de lado a muitos anos.

Sendo assim, nos resta analisar e pensarmos no futuro, na Vida que Deus nos deu para fazermos diferente.

Estou cansado, mas não desistirei.

Publicado: setembro 4, 2015 em Uncategorized

Reviver a experiência do dia-a-dia aqui em Crucilândia tem sido uma nova fase, um novo desafio, um reaprender a lidar com diversas situações que a tempos não sabia o que era.

A convivência com a política é uma das que mais me afeta, mas ao mesmo tempo uma das experiências que mais me desafia e me faz pensar que novos rumos só é possível com muita dedicação, luta e força.

Tentar colocar uma ideia nova na cabeça das pessoas não é fácil, tem sim todo aquele orgulho das pessoas, umas por pouco conhecimento da causa política, outras por puro e mero orgulho mesmo.

Ver situações de concursos públicos que levam a população a indignação não é fácil, mas ver a própria população calada diante destes fatos ainda é pior. Pensar que tem gente sendo investigada por “Fraude em licitação”, vide MPF, e ainda sim exercer o cargo mais importante da cidade depois do prefeito não é fácil, a ideia ainda na cabeça das pessoas de que “se está sendo investigada, deve ser afastada do cargo até o término das investigações” não é preconcebida ainda. Se quem é investigado tem acesso a documentos sigilosos, óbvio que corrobora para o atraso nas investigações, ou possa tentar.

A parte cultural da cidade fica de certa forma comprometida, pois, não tem turismo trabalhado, festas locais com nossas artes e cultura. Tudo fica limitado em duas festas caras, deixando assim a população desprovida de entretenimento cultural o ano todo, levando assim as pessoas a uma limitação cultural, que tende a um futuro duvidoso.

Como disse a cima, não é preconcebida ainda na cabeça do povo a ideia da participação, a ideia de que pessoas públicas são pagas para administrar perante os anseios do povo, logo, a falta de informação causa danos irreversíveis, e informar e orientar não é fácil quando não se tem ajuda de meios de comunicação ou financeiro para fazê-lo.

Neste retorno desde Outubro de 2014 percebi uma cidade cinzenta, sem vida, sem alegria e com extrema ausência de esperança nas coisas públicas, até porque mesmo que sejam pouco orientadas, as pessoas sabem da dificuldade das mudanças. Um fator gravíssimo que observei neste tempo foi a falta de investimento na agricultura e esporte, que a muitos anos não temos, sem contar a catástrofe provocada a mais de dez anos na educação, como a menor nota da região no ENEM.

Se estes fatores não forem tomados como importantes, iremos padecer na espreita de um futuro obscuro, sem definição e com a cidade jogada a sorte dos que forem por lá usurpar o dinheiro público.

Estou cansado, mas não desistirei nunca de fazer minha parte na sociedade, quero uma vida interessante e produtiva. Quero Viver.

Deixe de ser trouxa!

Publicado: julho 23, 2015 em Uncategorized

Ano que vem é ano de eleições!

images5

A política para muitos tem várias faces, mas na verdade tem apenas uma, a sua escolha.

Analisarmos todo o contexto é necessário para que possamos melhorar nosso futuro, nossa vida, afinal, tudo que acontece de bem ou de mal é através das mudanças na política.

Devemos observarmos até onde temos culpa por tudo que acontece, devemos depois desta análise encararmos de frente o problema e assumirmos nosso papel de “cidadão”, aquele que muda, e não de “povo”, aquele que aceita.

Podemos ver nossas prefeituras cheias de parentes de prefeitos, cabos eleitorais, filhos e filhas de vereadores e um monte de beneficiados, como salários exorbitantes para pessoas ligadas a cúpula.

É quase que em todas as prefeituras! Mas porque isso existe? Será que de fato é impossível mudar este contexto que já é histórico?

Não, não é impossível. É necessário que não vendamos nossa dignidade para que as coisas mudem, é necessário que não aceitemos mais vereadores ocupando dois cargos, seja público ou particular, é necessário também que façamos mudanças urgentes nas leis, onde seja proibido o funcionário público eleito trabalhar em carros da prefeitura, pois, estes mesmos fazem “barganhas” com o executivo para conseguir as coisas para mantê-los no poder, trazendo assim grandes prejuízos às nossas cidades.

É necessário também que o povo se manifeste, que perca o medo destas pessoas que usam os cargos públicos para intimidar, para trocar, para comprar.

Quando falamos em um país que “todo político rouba” é dizer que também somos parte desta corrupção, pois quem não se corrompe fora da política jamais se corromperá dentro dela, porque o preço da honestidade é o caráter, e caráter ilibado sempre será ilibado. Se crê mesmo que não há esperança na política é porque também se estivesse lá roubaria, se beneficiaria de forma injusta.

Ano que vem chegará rápido, então, vai já planejando uma folha, um caderno com todas as perguntas que queira perguntar aos seus candidatos, seja sobre projetos ou sobre os escândalos municipais, como cargos para ex-prefeitos (se existe), esposas e parentes de prefeito e vereadores. Relembre também se houve algum concurso público com indícios de fraude, onde a maioria dos aprovados tem ligação com cabos eleitorais e gente da cúpula.

Vamos também nos lembrar que, obra pública não é troco para o voto, eles tem a obrigação, por isso talvez queiram justificar os salários astronômicos.

No final, siga as quatro dicas abaixo para votar bem:

1º Deixe

2º De

3º Ser

4º Trouxa.


A anos estamos vivendo uma política de um lado só, de uma verdade apenas e muita coisa tem que ainda ser feita, principalmente na questão moral e ética de nossa política. Eu aqui nesta postagem não quero abordar política da esfera Federal e Estadual, e sim somente a nossa política Municipal, que em sua maior parte é o grande problema da corrupção em todo nosso país.

Mas porque ela é o maior problema em todo nosso país? Simplesmente pelo fato dela estar acontecendo debaixo de nossos narizes e a gente finge em muitas vezes não enxergarmos ou simplesmente fazemos parte dela. Forçamos em discutir os acontecimentos da política do Estado e do governo Federal e a nossa largamos de lado, a troco de que? A troco da vaidade da parte intelectual existente em cada um de nós? E onde fica a coragem em encarar a verdade e enfrentar os “velhos” que nos assombram de forma real?

Alguns prefeitos em um ato covarde, não deixa que o crescimento empresarial das pequenas cidades aconteça e nem o crescimento da agricultura, forçando as pessoas serem dependentes direto da prefeitura em favores, como empregos e outros serviços.

No montante destas manobras que beira a qualificação de “esgoto moral”, somente quem perde é a população, pois esta fica calada perante tais abusos, como, por exemplo, diárias de prefeitos e pessoas da cúpula chegando a um valor absurdo de R$ 350,00 enquanto pessoas que ganham um salário de miséria nem mesmo tem uma diária digna, e outros com suas diárias de apenas R$ 20,00.

Tem ainda o que acontece de pior em uma cidade, que em minha opinião é o fato de vereadores poderem ter outros cargos públicos, estes em sua maioria usam somente seus cargos para favorecerem grandes famílias a troco de votos, enquanto as famílias pequenas ficam desamparadas, devido ao pouco poder de decisão em uma urna.

Em meus dias que me entrego totalmente a causa política, fico analisando se no fim das contas vale o empenho em lutar por uma política mais justa, e sabe o que eu acho quando analiso, mesmo desanimado as vezes? Acho sim, que vale de fato lutar pela maioria, mesmo sabendo que o reconhecimento vem de uma minoria e que a outra parte maior ainda não acredita. Antes fazer parte da solução do que parte do problema.

Crucilândia vem caminhando para uma melhora política, lógico que é um trabalho longo, talvez de gerações, mas eu creio que seremos ainda referência na região em fiscalização e legislação, como também em transparência. Até mesmo porque as mudanças sempre vêm de uma minoria, ou dos “menores”.

Enquanto a questão da justiça, eu acredito ainda, mesmo que com um pé atrás, mas de fato acho que a justiça mais rápida na questão política se chama “urna eletrônica”. A cada um que luta por uma sociedade melhor, cabe o papel de se transformar em um educador, em uma pessoa dedicada a causa política e a causa da luta pela minoria que sofre, mesmo como dito acima, sabendo que o reconhecimento não virá de forma instantânea, pois o reconhecimento é o que menos importa em uma revolução e sim o que vale é a justiça.

A vida é curta sim, mas para lutarmos pelo nosso próximo não, porque o que viemos fazer aqui neste planeta se não deixarmos ele melhor do que achamos?

Corrupção é um caso sério e crônico, se não encararmos de frente a descrença da humanidade é convertida em crimes, drogas, demência e vida vazia.


A “Petição Pública” do projeto de lei de iniciativa popular “DIÁRIA DE VIAGEM COM RESPONSABILIDADE” nasceu da indignação dos cidadãos que querem de uma vez por todas acabar com qualquer forma de corrupção, seja ela moral ou ética também.

Hoje em Crucilândia, prefeito e vice-prefeito tem uma diária de R$ 350,00 e secretários de governos, ou seja, cargo comissionado também tem diárias de R$ 250,00 também como os vereadores diárias de R$ 200,00.

É válido lembrar que o salário do prefeito hoje é de mais de R$ 14.000,00, dos secretários mais de R$ 4.000 e dos vereadores podendo chegar até R$ 3.400,00 enquanto a diária dos motoristas de ambulância são de apenas R$ 20,00 com um salário muito inferior.

Levando em conta as condições financeiras promovidas pelos cargos da cúpula, logo entendemos que não há a necessidade de diárias tão elevadas, fazendo assim um gasto anormal ao erário público.

Tal diária tão alta nos leva a pensar sobre “um complemento salarial” e não de fato uma diária, já que a média do almoço em Belo Horizonte não ultrapassa os R$ 15,00. Creio eu que uma pessoa em cargo tão importante não tem a necessidade de ter uma alimentação diferente daqueles que tanto trabalham para ganharem tão pouco.

Vamos simular uma viagem para Belo Horizonte, partindo de Crucilândia nos carros da prefeitura, levamos em conta que a gasolina já é paga por nós. Um funcionário acorda de manhã e toma um café da manhã, seja ele prefeito, secretário, vereador ou motorista de ambulância, este café custa R$ 5,00 e depois almoçam no “Buribar” (Bairro Buritís), churrascaria self-service, no valor de R$ 10,00, logo mais tarde fazem novamente um outro lanche no valor de R$ 5,00. Partindo desta suposição os R$ 20,00 foram suficientes, já que água potável tem em qualquer estabelecimento público, logo, como explicar os gastos de viagens de R$ 350,00 e R$ 250,00?

Somente no ano passado, 2014, pessoas da cúpula do governo da prefeitura de Crucilândia gastaram mais de R$ 17.000,00 em poucas viagens à Belo Horizonte.

Avaliem tal situação, esta petição pública é válida para tentarmos restituir a soberania do povo, já que a mesma está sendo esmagada pelos nossos governantes. Contamos com a ajuda de todos!

Para conseguirem uma via do documento para assinar acessem www.facebook.com/marcioproteste2 e passaremos via bate papo o arquivo, outras pessoas irão estar nas ruas para coletarem as assinaturas.